[Parceria] Autora Adriana Sydor

12:33


Oi, gente! Tudo bem?

No início do mês, o agente literário da autora Adriana Sydor entrou em contato comigo buscando interesse na leitura e resenha do livro Toda Prosa da autora.
Antes de retornar o contato, fui procurar saber mais a respeito do livro. Fiquei encantada! A premissa é muito interessante. O livro reúne várias crônicas escritas em primeira pessoa, tornando a leitura muito mais agradável.
Como meu tempo anda bem escasso, tendo em vista que minhas aulas na faculdade retornaram, ainda não tive tempo para concluir a leitura do livro, mas em breve postarei a resenha aqui no blog contando o que achei.
Sem mais rodeios, conheçam um pouco sobre a autora e sua obra:


SOBRE A AUTORA


Foi diretora da rádio Educativa do Paraná, prestou consultoria para o Portal Educacional, Positivo Informática e hoje assina a coluna de música da Revista Ideias e escreve no blog Mil Compassos.


SOBRE O LIVRO

"Textos em primeira pessoa que confessam sentimentos, particularidades, sensações, sofrimentos e alegrias. Parece que este é o tempo em que diários e privacidades ficam expostos ao mundo. São previsíveis as postagens das redes sociais. O blog Mil Compassos de Adriana Sydor poderia ser mais um nesse infomar. No entanto, há pormenores que o tornam diferente e digno de pular da web para páginas de livro. Crônicas confessionais, que exploram os acontecimentos cotidianos, dão o tom geral do livro. Mas o pulo do gato está em como tudo isso é tratado. Há uma comunhão entre a forma e o conteúdo e isso é que faz pessoas se identificarem tão prontamente com o que acontece com a autora. A empatia do texto se dá pela maneira como os temas são abordados, um fato de sua vida pode ser muito diferente do que acontece na vida do leitor, mas o que corre por dentro, o que move pensamento e sentimento é que comove e cria a empatia. O “toda prosa”, assim escrito em minúsculo, ainda tem outros aspectos particulares, como está citado no prefácio de Fábio Campana: “Lúdica, sempre está a um passo de nova transgressão. Por que uma frase deve começar com letra maiúscula, se a maiúscula parece carregar o peso autoritário que prejudica a fluência gostosa da narrativa? As frases devem ser curtas e sempre na ordem direta? Os advérbios estão proibidos? Os adjetivos só em doses homeopáticas? Bem, não apresente uma regra definitiva para Adriana Sydor, ela tratará de transgredi-la.” Há uma brincadeira com a língua, um uso próprio, que não cansa o leitor, mas o convida para uma dança suave entre a consciência e a emoção. O livro ainda traz alguns manuscritos da autora com poesias e anotações para escritas futuras."

TRECHOS DO LIVRO
“todos os dias me despeço. de tudo. o anoitecer é o adeus ao dia, é o aumento da distância da infância, do primeiro amor, dos filhos pequenos. o anoitecer é dizer mais uma vez, reafirmar de aceno, que aquele sorriso foi embora, que o brilho do olhar virou, que há um tempo a menos. o anoitecer é encher o copo do presente com mais uma porção de passado – e como cabe passado em minha vida!” “a solidão me deu presentes: livros, tempo, músicas, silêncios, calmaria, quietude. um dia, sem aviso nem convite, o amor chegou. fez confusão, abriu todas as portas, destrancou os medos, libertou as vontades e rompeu nosso acordo. tratou de nos separar.” 
“se a morte me aparecesse, olhos nos olhos, acho que tentaria conversar, explicar que há muito a fazer ainda. contaria sobre o horário e sobre os dias. pediria que me fosse devolvido o tempo que gastei em filas de banco, em contas do orçamento, em espera de táxi ou mesa de restaurante. pediria de volta a areia que escorreu para baixo sem serventia alguma.” 
“fico triste com minha incapacidade de conversa. tudo que consigo, acho, comunicar na calmaria do papel tem dimensão completamente inversa na fala. não sei se por submissão, covardia, timidez ou puramente incompetência, muitas vezes percebo que não estou sendo compreendida. a situação me exaspera, o corpo cansa e o eterno sentimento de inadequação no mundo cai sobre mim feito uma capa pesada que cobre qualquer manifestação mais ou menos delicada de minha personalidade. não gosto de discussões e discuto, não gosto de brigas e brigo.”

Espero que tenham gostado da primeira impressão sobre o livro. Comentem o que acharam e compartilhem o post com seus amigos!
Beijinhos

Você pode gostar também

0 comentários

Quero ler

Estou lendo